We are Bahia…

carnavalbarra1

Fevereiro-úa úa…alegria ái ia…muita festa-úa úa“…e por aí VAI! A impressão que dá é que nós baianos passamos toda a nossa importante existência decorando o ritmo certo para atribuir às vogais, na hora exata! É aquela história…com o perdão do trocadilho tá Caymmi? “Quem não gosta de AXÉ, bom sujeito não é…é ruim da cabeça ou doente do pé”.

Verão e Bahia acabam sendo sinônimos de momentos pra lá de inesquecíveis. O que é que poderia contribuir para tornar uma ocasião emocionante, marcante, delirante e tudo “ante” que existe? Música, né? Vamo de música?

Preconceitos à parte…cada um tem liberdade pra gostar do que quiser…eu amo BOSSA NOVA, mas existem certas ocasiões que…menha felha, só um axé pode dar conta! Como posso eu, lavar a porra do banheiro, escutando Frank Sinatra? Música combina com estado de espírito, acredito nisso…então prefiro deixar para treinar o meu inglês “I want to be a part of it, New York New York…“, relaxando em casa no fimzinho de noite. Como posso eu ir à praia ouvindo Los Hermanos? A-doro. Mesmo o Marcelo Camelo pegando a Mallu Magalhães(com todo aquele pá pá pá pá), não tiro dele o seu grande valor artístico…mas o Los Hermanos fica na minha pasta de “Sofrimento Lyrics”, acompanhado de uma faca, caso seja necessário cortar os pulsos. Vou explicar o “Por que”! Lavar o banheiro e sonhar com a noite brilhante de “New York” não é nada agradável. São díspares, compreende? Na hora que baixa o espírito da Bozena, a vontade é de mandar um “Extravaaaaaaaaaaaaasa, libera e joga tudo pro ar-á-á-á-á“…e tomando o caminho da praia…cabelos ao vento…biquine(Ok), Celulite(Ok), Adeus chapinha (Ok), Pele oleosa de protetor solar(Ok), no “toca fitas”: Só Psirico salva, porque ele vai insistir em dizer que “Ela é toda boa, ái-á“!

E nesse “Aê, Aê, Aê, Aê, Aê, ê ê ê ê, ô ô ô ô ô“…Os circuitos Barra e Campo Grande estão lá. Só quem nasceu na Bahia(desculpa aê os turistas que querm porque querem trocar o local do nascimento no RG, depois que passam o Carnaval por aqui), sabe em que compasso o coração bate ao escutar um sonoro “ÁAA, que bom você chegou, bem vindo a Salvador, coração do Brasil”. SIM, nós somos um “povo a mais de mil“. Todo mundo sabe de trás pra frente aquele refrão “We are the world of Carnaval, we are Bahia“.

Baianos? Vou te explicar como somos(não era pra rimar, mas já foi)…”A gente se completa enchendo de alegria a Praça e o Poeta“. Porque se falam: “E bate na palminha da mão, é na palminha da mão”, não duvide…você verá aquele maaaaaaaaaar de gente com as mãos pra cima sem receio. Se é de “Babaixá ou de Balacobaca“, pouco importa. Aqui tem espaço pra tudo. Muitas vezes, é impossível explicar de forma erudita o que se passa na cabeça e no corpo do baiano durante o Carnaval. O que corre atrás do trio, o que “toma pau”(tá esquisito isso aqui), quando o Chiclete com Banana tá passando, o que vê seu pé sendo pisoteado quando Ivete diz que “tá um empurra-empurra aqui, mas tá gostoso”…ou com o que lança a coreografia do Jammil: “PRAIEIRO-GUERREIRO-SOLTEIRO”.

Chegamos ao mês onde ocorre a maior mistura de sentimentos eufóricos, que fazem pessoas tirar os pés do chão, balançar o esqueleto, CANTAR DESESPERADAMENTE NA SUA MAIS GENUÍNA ELOQUENCIA, seja lá a sua música formada por “vogais”(na sua maioria) ou não…

Eu não sei você…mas EU já tô ensaiando: “Quebra aê, quebra aê”

CONTINUA…