“Extra, extra: Bom preço”

 

Madrugada no Bom Preço

Madrugada no Bom Preço

 

 

 

 

Phillipe (16) e sua tese do Cheetos com cheiro de vômito...

Phillipe (16) e sua tese do Cheetos com cheiro de vômito...

 

   Desde criança sempre adorei ir ao Supermercado! As visitas até lá não significavam apenas que a despensa estaria mais farta e sim, que durante as compras eu entraria no carrinho e meu irmão iria me empurrar por todos aqueles imensos corredores

   A sessão de “Lanches” era/é enlouquecedora. Meus olhos brilhavam/brilham diante daqueles “Negrescos, Passatempos recheados, Amanditas, Bonos”…sem falar da “Ruffles, Cheetos (mesmo que tenha cheiro de vômito eu amo tá Phillipe (16) e do inefável Fandangos”.

   Uma das partes que mais gosto é a sessão de higiene. É a parte que tenho que ir sorrateiramente e que meus pais provavelmente devem falar “Ai, lá vem BOMBA”… esses produtos tem mesmo ficado cada dia mais caros…mas fazer o que se a higiene é uma necessidade vital??? Me perco na parte dos shampoos, pq diga-se de passagem a Seda joga sujo no quesito propaganda, é Seda Camadas destacadas, Seda Control, Seda Brilho Gloss, Seda sei lá o Que… aaaai, é muito atraente! Esmalte então, não saio de lá sem pelo menos 2 cores novas da “Risquê”.

   Andando, andando…o ambiente vai ficando mais geladinho e é aí que entra os congelados Sadia. Me diz, o que mais eles faltam inventar? As pizzas eu não curto muito nao, mas aquela Lasanha a Bolonhesa me maaaaaata…me faz cometer o pecado da Gula. Nos Iogurtes…? Hahahahhaha… a propaganda me aliena, Activia pra dentro! Mas o Chandelle é sagrado…afinal de contas quem nunca sonhou em falar: “Agora não posso. Tô comendo o meu Chandelle”!!!

   Não é trauma de infância, eu juro, sempre tive materiais escolares legais…mas é uma doença só pode, eu tenho uma verdadeira compulsão pela sessão de papelaria, em qualquer lugar que ofereça uma sessão de papelaria. Já perdi a conta de quantas canetas eu tenho…ou dos caderninhos. Eu tenho um caderninho pra tudo e a vontade que dá é de ter TODOS e não gastar nenhum adesivo…deixá-los intactos só contemplando.

   Aquelas partes de feijão, arroz, macarrão, carnes, legumes e frutas são chatas. É coisa de mãe. Apesar de que hoje em dia (morando sem a Mami) tenho que dar o meu ar da graça por lá. Esses produtos são deliciosos prontos…mas crus, ai que sem graça!

   Os Supermercados estão ficando cada dia mais imensos, infindáveis, com uma variedade incrível de produtos. O que mais falta ser vendido num estabelecimento desses?

Anúncios

Olá…Muito Prazer…

   Eu nunca pude mensurar a quantidade de pessoas que eu supostamente conheceria na minha vida. Muito menos tracei metas para conhecer 1 ou 2 pessoas por dia. Assim como nunca tive tanta certeza de que um simples sorriso pode mudar muita coisa.

   Será que existe receita para conhecermos pessoas? Ou melhor, será que vale a pena darmos uma “mãozinha” ao acaso para conhecer as pessoas que “queremos”?

   No colégio fiz grandes amizades, o que acaba sendo natural…são anos de convivência “forçada”, a gente acaba amando ou adiando os nossos colegas. Na vizinhança? Fiz boas amizades, contudo, não estão do meu lado até hoje…mas teve sim um grande valor. Faculdade…humm, eis aqui um bom lugar para nascer grandes amizades…ou não. Seja lá como for, na faculdade a diversidade de personalidades é incrível. Lá encontramos todo o tipo de gente, todo o tipo de perfil. Me confundo no papel de “espectadora” sentada na Cantina do 3, porque da mesma forma como os analiso, posso estar sendo concomitantemente avaliada. Trocando em miúdos…os “points” da juventude são deliciosamente “analisáveis”. Sobre o quê necessariamente conversam os jovens? Não temos mais a gana de nos rebelar contra o “sistema”, não somos governados por uma ditadura militar, nem formamos grupos musicais do tipo “Tropicália”. De que forma seremos lembrados na posteridade?

   Sentada na Cantina do 3, já reclamei da minha vida, já fiquei triste por uma nota baixa, comentei o quanto “tal” festa foi boa, assisti capítulos de algumas novelas e até tirei um cochilinho. Sem falar que eu queria 2 reais para cada hora que passo lá, sentada com minhas amigas conversando, confabulando e filosofando. Não sei se sentada ali espero o tempo passar para a próxima aula, ou se acompanho como protagonista a saga de uma juventude que julga importante ter mais de 300 amigos no orkut.

   Talvez sejamos “Jovens Cibernéticos”. Vamos numa festa, conhecemos alguém e pra começar ou terminar um papo, a pergunta que não quer calar: “Qual seu msn?” ou ainda: “Você tem orkut?”…com o andar da carruagem a pergunta… “Você tem blog?” também será pertinente.

   Apesar do “mundo” estar conspirando para que o ser-humano veja prazer em viver sozinho, acredito em boas e grandes amizades. Suporto tê-los dentro dessa “máquina” chamada “computador”, mas não abro mão de poder abraçá-los, de me irritar com suas coisas que me desagradam e de rir escandalosamente com cada piada que soltam. A questão agora é: “Quantas pessoas ainda vou conhecer, capazes de me despertar essas sensações”?

   Olá…Muito prazer…

De carteirinha…

 

 

 

   E tudo são fases. Não…não vou falar sobre a lua, mas de quem vive bem perto dela: Astros e Estrelas. Atire a primeira pedra (de jardim, de strass, de concreto ou sei lá o que) quem nunca foi FÃ!

   No início da minha adolescência, além de insuportável, eu era fã dos BackStreet Boys, das Spice Girls e dos Hanson.

   Na minha “geração”, éramos surpreendidos dia após dia (bastava só acompanhar na Mtv) …nossos artistas favoritos lançando seus clipes, exibindo rostos belíssimos, fazendo caras e bocas num close que tomava quase a tela inteira e que nos fazia enlouquecer. Mas peraí…isso não acontecia exclusivamente na minha “geração”…acontece até hoje e de forma 10 vezes mais incisiva.

   Eu chegava em casa comendo tudo, tudinho no almoço, porque o dinheiro que meu Pai tinha dado pro lanche havia sido desviado. A comida de minha mãe sempre foi de-li-ci-o-sa…mas adolescente sabe como é né(um saco pra comer). Com o “dinheiro desviado”(daí minha vocação para política, talvez)…eu corria para o “templo”, ou seja, para a Banca de Revistas. Era para lá que eu levava toda a minha agonia e em seguida voltava para casa em paz…em mãos, algum pôster, revista, photobook e mais um milhão de invenções dessa indústria que me tirava do “eixo”.

   Não bastava colecionar todos estes “papéis”. O grande lance, era passar horas e horas olhando pra eles e fazendo inveja às minhas amigas. Depois de brigas homéricas com meu irmão (porque dividíamos o quarto), consegui certa vez colar um dos pôsteres na parede. Não consegui  o dos Backstreet Boys, já que ele alegou que os amigos dele iam dizer que ele era “gay” e minha Mãe caiu nessa…entretanto, consegui colar o das Spice Girls.

   Enquanto olhávamos as fotos, ouvíamos os Cd’s. Foi aí que tive meus primeiros contatos com a língua Inglesa e desde então não parei mais. Até hoje, sei as letras das músicas dessas bandas de trás pra frente. E os Cd’s são absolutamente originais…comprar pirata era praticamente trair a “pátria”…a pessoa podia até ser excluída do “fã-clube”.

   De lá pra cá…quase 10 anos se passaram…as “Spice” tiveram 87765487 filhos assim como os “BackS”…os Hanson??? Não sei…por onde andam? Se alguém souber me dá noticias.

   Hoje lembrei dos Hanson porque tava aqui de bobeira, com a Tv ligada e começou a passar uma matéria no Fantástico sobre um “tal” grupo chamado Jonas Brother’s…que nada mais é do que os “Hanson” do ano 2000. Assim como os BackStreet Boys podem ser “aludidos” aos Menudos ou sei lá, um da época de minha tia: New Kids on the Block.

   Já me peguei criticando minha prima por “curtir” Rebelde, mas parando um pouco pra pensar…o que pensavam de mim na época em que eu “respirava” Spice Gils, Backstreet Boys e Hanson? Faz parte da vida de toda menina. Não consegui pensar em nenhum grande artista da época de minha mãe…ela conseguiu me fazer acreditar que sempre gostou de Fagner,Elis Regina e por aí vai… Mas ninguém tira da minha imaginação, Minha Vó Zuleica “alucinada” por causa dos Beatles…